14 de maio de 2013

Editorial Divergência



A Editorial Divergência é uma nova editora que pretende apostar na ficção nacional. De momento a editora procura manuscritos inéditos, dentro dos géneros englobados na dita ficção especulativa, com mais de 50000 palavras.
Para mais informações:
A cultura portuguesa enfrenta uma época de inúmeros desafios, em especial, no sector da literatura de ficção. Fundar a Editorial Divergência partiu da necessidade de intervir em vários aspectos:
  • Desde sempre Portugal foi um ponto de encontro de saberes. Muito antes do seu nascimento, viu passar pelas suas terras inúmeros povos e uma infindável riqueza cultural. Essa fonte inesgotável de mitos e ideias faz, ainda hoje, parte deste povo e necessita de ser preservada, sendo a literatura um dos vectores essenciais.
  • A cultura é considerada por alguns como um sector secundário da nossa sociedade. Ouve-se muitas vezes dizer que não é importante, pois não enche o estômago nem a carteira. É evidente que, para além de uma crise económica e social, atravessamos uma crise de valores.
  • Durante o último século, avanços tecnológicos e sociais levaram à multiplicação do número de editoras. A redução do preço tornou acessível bons livros, bem como numerosos jornais e revistas, à maioria da população. Todavia, uma grande fatia do actual mercado editorial está assente nos princípios da cultura de massas estandardizada e de fácil digestão, sendo necessário uma mudança de paradigma.
  • Em Portugal, quando comparado com outras áreas, a quantidade de livros de ficção publicados encontra-se num franco desequilíbrio com a que é escrita. Há uma clara preferência por autores estrangeiros, enquanto a divulgação de novos autores portugueses de ficção especulativa se encontra negligenciada.
Pelos motivos acima enunciados, a Editorial Divergência pretende destacar-se no mercado editorial português pela publicação e promoção de novos talentos de ficção especulativa portuguesa. Consideramos que tanto o autor como o leitor devem ser valorizados, que o universo editorial não se deve reger pelos grilhões do interesse económico e que a publicação de livros deve causar o mínimo de impacto ambiental. Como tal iremos basear a editora nas seguintes éticas:
  • Cuidar do planeta: queremos criar edições amigas do ambiente, diminuindo os desperdícios e os transportes desnecessários.
  • Cuidar dos autores e leitores: os autores recebem o apoio na publicação e divulgação das suas obras, assim como um pagamento justo (10% do preço de capa) pelo seu trabalho, sem que para tal tenham de investir um único cêntimo; os leitores terão acesso a edições de qualidade a um preço acessível.
  • Partilha dos lucros: os lucros serão usados na editora de modo a poder investir num número crescente de novos autores, publicando e divulgando as suas obras.
  • Escolhemos o rebento como logótipo, pois representa o novo autor, que precisa de apoio para poder desenvolver os seus trabalhos. Cada uma das folhas representa tanto uma das vertentes da ficção especulativa como uma das éticas da editora.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...