18 de novembro de 2012

Análise ao Kobo Glo - Parte III



Esta análise divide-se em três partes:
III – Experiência de Leitura

Analisado o hardware e o software, é altura de tratar o aspecto mais importante num eReader: a experiência de leitura. De modo a proporcionar uma melhor ideia das capacidades do Kobo Glo, optei por descrever o comportamento do aparelho para três diferentes tipos de ficheiros: EPUB, o actual standard a nível de eBooks; PDF, dada a sua popularidade; CBZ, um dos formatos de comics suportado pelo Glo.

EPUB

É na leitura de ficheiros EPUB que o Kobo Glo revela todo o seu potencial. Por defeito, quando em modo de leitura, o ecrã é preenchido apenas por texto, exceptuando a indicação do número de página na parte inferior. Um toque na zona central revela duas barras: uma no topo do ecrã, onde podemos visualizar a percentagem lida assim como aceder às definições do aparelho; outra na parte inferior do ecrã, onde se encontram os ícones que dão acesso às opções. O primeiro ícone permite aceder ao índice do livro, consultar as anotações feitas (incluindo bookmarks e passagens sublinhadas), fazer uma pesquisa, consultar a definição de uma palavra ou traduzir uma palavra. O segundo ícone permite navegar de forma mais rápida no livro, através de uma scroll bar. O terceiro ícone inclui as funcionalidades mais importantes: num menu inicial é possível seleccionar entre dez tipos de letra assim como alterar o espaçamento entre linhas, as margens e o alinhamento do texto; o menu de definições avançadas permite ainda alterar o tamanho e a nitidez da letra, apresentando uma janela de preview que facilita a visualização do resultado das alterações antes de as confirmar. O quarto e último ícone serve para adicionar o livro a uma prateleira, marcar o livro como lido ou aceder às definições de leitura.

Ao tocar durante alguns segundos sobre uma palavra, o eReader apresenta uma caixa de texto com a respectiva definição. Este género de selecção revela dois pequenos marcadores que podem ser arrastados de modo a sublinhar uma passagem do texto e, posteriormente, partilhá-la no Facebook ou guardá-la nas anotações. É também possível marcar páginas, bastando, para tal, um simples toque no topo direito do ecrã.

Naturalmente, nem tudo é positivo. Por exemplo, não é possível exportar as anotações feitas, limitando assim a sua utilidade. Apesar de responder rapidamente aos comandos do utilizador a excessiva utilização de certas opções, como as definições de letra, podem bloquear o aparelho, obrigando a reiniciá-lo. Na sua maioria, as falhas encontradas dizem respeito ao software, pelo que espero que venham a ser resolvidas em posteriores actualizações da Kobo.

PDF
O suporte de PDF do Kobo Glo é razoável. À excepção das definições de letra, que não existem para PDF, as opções fornecidas para este tipo de ficheiro são semelhantes às descritas na secção anterior. Adicionalmente, é possível fazer zoom ou activar o modo landscape. O zoom é gravado ao virar de página, pelo que, ao encontrar o nível mais apropriado, não é necessário redefini-lo constantemente. Por outro lado, a posição também é gravada, o que significa que, ao mudar de página, não somos necessariamente transportados para o início da página seguinte.
Nos níveis zoom mais elevados, a navegação no documento é feita arrastando o dedo pelo ecrã. O processador comporta-se adequadamente, sendo a actualização da página bastante rápida, muito embora se denote uma degradação do contraste da letra.

CBZ

O suporte de CBZ inclui as mesmas funcionalidades que o PDF e, tal como este último, o principal obstáculo a uma leitura confortável é o tamanho do ecrã. Apesar disso é perfeitamente possível ler comics ou manga no Kobo Glo, embora em alguns casos seja necessário recorrer ao zoom ou ao modo landscape. Nada melhor do que verificar alguns exemplos. Em modo normal, com e sem a utilização do zoom:

Em modo landscape:


Considerações finais

Tendo em conta todos os aspectos analisados, o Kobo Glo é um óptimo eReader. A definição do ecrã, a iluminação e as várias opções que permitem customizar a apresentação do texto, asseguram uma leitura confortável. Ao contrário da Amazon, a Kobo não bloqueia o utilizador à sua loja, e o suporte de EPUB é especialmente importante dado que a maioria da oferta de eBooks em português se encontra nesse formato. Como dispositivo dedicado à leitura o Kobo Glo não fica aquém dos modelos oferecidos pela concorrência e, graças à parceria com a Fnac, é certo que será o aparelho com maior exposição no nosso país.

4 comentários:

  1. Parece-me bem fixe :)Se um dia o meu avariar já sei onde recorrer (duvido isto é um pseudo-tablet, but you never know). Também tenho curiosidade no Cool-er :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pelo contrário, com excepção do browser e da possibilidade de partilhar conteúdo no Facebook, o dispositivo é totalmente dedicado à leitura. Daí também a minha opção por um eReader: não quero ter distracções que desviem a minha atenção daquilo que estou a ler ;)

      Eliminar
  2. Gostei muito deste artigo! Obrigada por todas as informações. Fiquei ainda mais interessada no Kobo, já o pedi para o Natal, veremos se tenho sorte. Pois, eu também estava bastante dividida entre o Kobo e um tablet mas é diz, não quero distrair-me com as outras funções, e para outras coisas, também tenho um computador ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É uma questão de preferência. Compreendo que muitos prefiram a versatilidade de um tablet, mas para mim, no que a leitura diz respeito, um ereader é o aparelho que proporciona uma experiência de leitura o mais próxima possível daquela que temos ao ler um livro físico.

      Eliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...