31 de outubro de 2010

Vencedores dos World Fantasy Awards 2010


Foram hoje anunciados os vencedores deste prémio na World Fantasy Convention. Abaixo podem consultar a lista completa dos nomeados, sendo os vencedores destacados a bold. 

    NOVEL
  • WINNER: The City & The City by China Miéville (Macmillan UK / Del Rey)
  • Blood of Ambrose by James Enge (Pyr)
  • The Red Tree by Caitlín R. Kiernan (Roc)
  • Finch by Jeff VanderMeer (Underland Press)
  • In Great Waters by Kit Whitfield (Jonathan Cape UK/Del Rey) 
NOVELLA
  • WINNER: “Sea-Hearts,” Margo Lanagan (X 6, coeur de lion publishing)
  • “The Women of Nell Gwynne’s,” Kage Baker (Subterranean Press)
  • “I Needs Must Part, the Policeman Said,” Richard Bowes (December 2009 F&SF)
  • “The Lion’s Den,” Steve Duffy (Nemonymous Nine: Cern Zoo)
  • “The Night Cache,” Andy Duncan (PS Publishing)
  • “Everland,” Paul Witcover, Everland and Other Stories (PS Publishing)
SHORT STORY
  • WINNER: “The Pelican Bar,” Karen Joy Fowler (Eclipse Three, Night Shade Books)
  • “A Journal of Certain Events of Scientific Interest from the First Survey Voyage of the Southern Waters by HMS Ocelot, As Observed by Professor Thaddeus Boswell, DPhil, MSc, or, A Lullaby,” Helen Keeble (June 2009 Strange Horizons)
  • “Singing on a Star,” Ellen Klages (Firebirds Soaring, Firebird)
  • “The Persistence of Memory, or This Space for Sale,” Paul Park (Postscripts 20/21: Edison ’s Frankenstein, PS Publishing)
  • “In Hiding,” R.B. Russell (Putting the Pieces in Place, Ex Occidente Press)
  • “Light on the Water,” Genevieve Valentine (October 2009, Fantasy Magazine)
ANTHOLOGY
  • WINNER: American Fantastic Tales: Terror and the Uncanny: From Poe to the Pulps/From the 1940s to Now, ed. by Peter Straub (Library of America)
  • Poe, ed. by Ellen Datlow (Solaris)
  • Songs of The Dying Earth: Stories in Honor of Jack Vance ed. by George R.R. Martin and Gardner Dozois (Subterranean/Voyager)
  • Exotic Gothic3: Strange Visitations, ed. by Danel Olson (Ash-Tree Press)
  • Eclipse Three, ed. by Jonathan Strahan (Night Shade Books)
  • The Very Best of Fantasy & Science Fiction: Sixtieth Anniversary Anthology, ed. by Gordon Van Gelder (Tachyon Publications)
COLLECTION
  • TIE WINNER: There Once Lived a Woman Who Tried To Kill Her Neighbor’s Baby: Scary Fairy Tales, Ludmilla Petrushevskaya (Penguin)
  • TIE WINNER: The Very Best of Gene Wolfe/The Best of Gene Wolfe, Gene Wolfe (PS Publishing/Tor Books)
  • We Never Talk About My Brother, Peter S. Beagle (Tachyon Publications)
  • Fugue State, Brian Evenson (Coffee House Press)
  • There Once Lived a Woman Who Tried To Kill Her Neighbor’s Baby: Scary Fairy Tales, Ludmilla Petrushevskaya (Penguin)
  • Northwest Passages, Barbara Roden (Prime Books)
  • Everland and Other Stories, Paul Witcover (PS Publishing)
ARTIST
  • WINNER: Charles Vess
  • John Jude Palencar
  • John Picacio
  • Jason Zerrillo
  • Sam Weber
SPECIAL AWARD—PROFESSIONAL
  • WINNER:  Jonathan Strahan for editing anthologies
  • Peter & Nicky Crowther for PS Publishing
  • Ellen Datlow for editing anthologies
  • Hayao Miyazaki for Ponyo
  • Barbara & Christopher Roden for Ash-Tree Press
  • Jacob & Rina Weisman for Tachyon Publications
SPECIAL AWARD—NON-PROFESSIONAL
  • WINNER: Susan Marie Groppi for Strange Horizons
  • John Berlyne for POWERS: Secret Histories
  • Neil Clarke, Cheryl Morgan & Sean Wallace for Clarkesworld Magazine
  • John Klima for Electric Velocipede
  • Bob Colby, B. Diane Martin, David Shaw & Eric M. Van for Readercon
  • Ray Russell & Rosalie Parker for Tartarus Press
WORLD FANTASY LIFE ACHIEVEMENT AWARDS
  • WINNERS: Brian Lumley, Terry Pratchett, and Peter Straub.


Leituras Digitais (24 a 30 de Outubro)

Rubrica semanal de notícias e artigos relacionados com a edição de livros digitais.

  Barnes & Noble just unveiled its all-new Nook Color, an Android tablet fronted by a 7-inch color touchscreen... so long, e-ink! (Not really, the $149 original Nook is sticking around for now, owns 20 percent of the e-reader market, and is about to get a major software update). B&N is billing it as a hybrid of e-reader and tablet device, and has beefed up its software with a full-on tablet-style UI, along with Facebook and Twitter integration. There's built-in WiFi (802.11b/g/n) and 8GB of storage, but no 3G at this point. Thankfully, the price stays aggressive as a result: $249. You might think that means the screen is going to be weak, but B&N has managed to put an impressive-sounding "VividView," 16 million color, 1024 x 600 IPS display in this thing. Interestingly, there's a "full lamination screen film" on top of the LCD to reduce glare, apparently from the backlight, not just from external light sources.
  Kindle 3 and Nook Color are suddenly competing in completely different markets. B&N has done a great job of reinventing the Nook as a device that will steal casual readers from the Kindle and will also appeal to people who can’t afford the iPad or want an alternative.
  Like other reviewers, I will wait until I have a NOOKcolor to use before I speak specifically about its pros and cons. However, from a philosophical and design perspective, it’s not hard to see how this evolution of the e-reader could be a game changer in education. First, the NOOKcolor focuses on richer media and should be a strong competitor to the iPad when it comes to newsstand content. In addition, the device should evolve into an ideal viewing platform for other types of media such as rich learning objects. Its ability to handle ePub and other reading formats also make it extremely library friendly. But obvious game changer is that Barnes & Noble obviously intends to leverage this device for its NOOKstudy products when it finally makes those available on an e-reader next year.
  Barnes & Noble's new color Nook is the latest milestone for e-readers -- which first hit the market 20 years ago. Here's a look back.
  Book, magazine and newspaper publishing is unduly governed by the physical containers we have used for centuries to transmit information.  Those containers define content in two dimensions, necessarily ignoring that which cannot or does not fit.
  Worse, the process of filling the container strips out context – the critical admixture of tagged content, research, footnoted links, sources, audio and video background, even good old title-level metadata – that is a luxury in the physical world, but a critical asset in digital ones.  In our evolving, networked world – the world of “books in browsers” – we are no longer selling content, or at least not content alone.  We compete on context.
  Rob Goodman, director of online marketing at Simon & Schuster, revealed a battery of impressive figures about how social networking influences consumer buying habits, among them: consumers are 67% more likely to buy from the brands they follow on Twitter, 51% more likely to buy from a brand they fan on Facebook, and 79% more likely to recommend brands and products they follow on social media. The other speaker, Peter Milburn, digital products marketing manager at Wiley Global Finance, called Facebook (which has 500 million users), Twitter (125 million users), YouTube, and LinkedIn “the new retailers,” an idea moderator Jim Lichtenberg, president of the management consulting practice Lightspeed, confirmed when he noted, “You go to Facebook, hear about a book, then go to a retailer and buy it—so at that point the retailer’s just fulfilling your desire.”
  You can pretty much always find outspoken, passionate diatribes about ebooks online. I’ve written several myself, but in my defense I had to, or else the Ebook Bloggers Board would have flogged me and taken away my WordPress dashboard. Even setting aside my own involvement, I’ve always enjoyed this sort of spirited discussion–it’s like politics, only it doesn’t leave me feeling coated in a sludge of despair the way a political jeremiad does.(...)
  Here are three common misperceptions that I think we’d all be better off discarding before writing anything else about ebook publishing.

Vídeos

Liquavista shows first prototype of flexible electrowetting displays

NOOKcolor Guided Tour

Nook Color press event video 1

Nook Color press event video 2

28 de outubro de 2010

Fénix Fanzine


Como anunciei recentemente, foi lançado o fanzine Fénix que visa a promoção de textos que se inserem na ficção científica, fantasia ou horror. Apesar de existirem já três publicações focadas nos referidos géneros, a Fénix consegue diferenciar-se das demais em diversos aspectos. Primeiramente, a fanzine não está ligada a nenhuma editora, o que permite uma maior liberdade no que ao seu conteúdo diz respeito. Em segundo lugar, apresenta um baixo preço. Finalmente, através do seu suplemento Pumba!, proporciona um olhar humorístico sobre o fandom nacional que, espero, venha dissipar um pouco o clima de tensão que recorrentemente nele se instala.
O formato parece-me apropriado, assim como o grafismo, apesar de este último poder vir a ser melhorado no futuro. A escassez de tempo para a preparação da fanzine reflecte-se, naturalmente, no resultado final, onde se encontram alguns erros que poderiam ter sido evitados. Creio que sem estes constrangimentos a nível de tempo, os responsáveis pela Fénix poderão facilmente apresentar uma melhor publicação.
A nível de sugestões, e porque espero sinceramente que venham a ser publicados mais números, deixo algumas ideias que podem contribuir para cimentar os pontos diferenciadores que apontei anteriormente:

Interactividade entre autores e leitores – Denotando-se uma aposta clara em novos autores, a criação de uma plataforma que permita uma maior interactividade entre estes e os leitores pode ser uma importante fonte de feedback.
Humor – Manutenção do espírito bem-humorado, procurando, no entanto, evitar a exposição de conflitos de carácter pessoal, como me parece evidente na crónica de Ricardo Loureiro.
Método de pagamento – Uma maior variedade de métodos de pagamento, explicados de forma clara e sucinta, facilitaria o processo de aquisição.
Revisão – Um processo de revisão mais cuidado evitaria os erros presentes neste primeiro número, e o debate entre editores e autores acerca do conteúdo a publicar pode contribuir para uma maior qualidade dos textos seleccionados.

Em suma, aproveitar a liberdade que advém da ausência de compromissos editoriais, proporcionando uma experiência enriquecedora tanto para os leitores, como para os autores que, possivelmente, vêem pela primeira vez o seu trabalho publicado em formato impresso.

Salão do Livro Antigo


Abre no dia 30 de Outubro o “Salão do Livro Antigo”, inserido na Feira de Antiguidades e Colecção do Convento do Beato, em Lisboa. O custo do bilhete é de 3€, prolongando-se a feira até dia 7 de Novembro.

26 de outubro de 2010

Arquivo de entrevistas da Paris Review

O novo director Paris Review resolveu disponibilizar integralmente o arquivo de entrevistas (publicadas ao longo dos 57 anos) da revista. Entre as mais de 300 entrevistas, podemos encontrar conversas com autores como Ernest Hemingway, Jorge Luis Borges, William Faulkner e Gabriel García Márquez.
Para consultar aqui.

24 de outubro de 2010

Leituras Digitais (17 a 23 de Outubro)

Rubrica semanal de notícias e artigos relacionados com a edição de livros digitais.

  Can publishers find a way to live with ebooks?

  On the face of it, the answer  just now is apparently not.   The world’s publishers are struggling to come to terms with a major shake up in their industry, the first for hundreds of years, and they are apparently completely at a loss as to how to cope… The poor dears.

 They are groping around like blind moles attempting to find a good business model for electronic publishing, and pricing and so far, failing lamentably.  Their pricing structures are impressively illogical and keep changing, not to speak of the whole matter of DRM either, which is a complete shambles, and vastly confusing to most consumers.
  The longtime barriers to book publishing are rapidly disappearing. Anyone is able to publish an e-book at the world’s largest bookstore, Amazon, and make money off of it, without ever dealing with printing costs or a pesky editor. If you’ve got a novel to publish — or a long essay, or a bunch of disjointed quotations, or anything else really — there’s no reason not to publish it.
Theoretically, all if this is true. The reality? It’s not so simple — although it’s getting easier all the time.
  I believe we’re going to see in the months ahead rapidly-developing ebook marketplaces in English in non-English-speaking countries. Because of local variations in pricing and taxation and forces of habit, the markets will develop country by country unless and until some pan-European solution develops, which, because it would have to be English-based, seems unlikely to be a near-term development (although it is bound to happen someday if English-language consumption grows the way we expect.)

  Although the big US publishers have been both digitizing and putting rights metadata into their files for some time, there could still be backlist titles for which ebook opportunities could be exploited in Europe (and elsewhere) that haven’t made the “cut” for conversion. There has been no reliable data compiled that I’m aware of as to how much of the backlist in big houses has been digitized, but it isn’t 100% anywhere. The anecdotal evidence about how thoroughly the big publishers have researched and recorded their digital rights is conflicting — many have certainly put resources against the challenge — but there are certainly mid-sized, smaller, and acquired publishers who might now have an additional justification to do the same.
  Next week Barnes & Noble is hosting a press conference and there is speculation that they will announce a new Nook at the event.

  CNET has more: “For those of you who like to keep track of release dates, the Barnes & Noble Nook was announced on October 20, 2009. Almost to the day, Barnes & Noble has sent out an invite to members of the media, requesting their appearance at an event next Tuesday, October 26th in New York. We presume–but can’t confirm–that this is for the launch of a next-generation Nook e-reader.”
  Publishers are needed, and they always will be. Quality in literature is important, and while the big houses can often be seen as capricious gatekeepers to the wider world, uncaring of whether your book is the next big thing or not, it’s simply not the case. The industry has to adapt, but demands for knock-down prices and a jubilant, euphoric worship of the latest trend in technology that absolutely will redefine life as we know it is not a sensible approach. Just like you’d approach a new book that you’ve been looking forward to for years, publishers, the media, consumers and authors need to sit down, take it slowly, absorb the necessary details and develop a path forward that works for all parties without ridiculous knee-jerk reactions.
  And you can say what you like about print, but it’s not bloody dead.
  O JN Negócios de hoje, suplemento do Jornal de Notícias, tem como tema de capa o mercado dos livros digitais em Portugal. Paulo Ferreira, da Booktailors, deu uma pequena entrevista para o artigo(ver imagens abaixo). O tema de capa é da autoria de Sérgio Almeida e Bruno Amorim.
  Coming later this year, Amazon will introduce a customer Kindle-book lending feature that is, from all I can tell, the same as the one for Barnes and Noble's Nook: customers will be able to lend an e-book only once per e-book, for two weeks (during which time it's not available to the customer as in 'real' life), and then the lended book disappears from the lendee's Kindle-compatible device whether or not the lendee was finished reading it and cannot be lent/borrowed again, ever, to anyone.
Vídeos


22 de outubro de 2010

21ª edição do Amadora BD abre hoje as portas

  A 21ª edição do Amadora BD abre as portas ao "mundo dos quadradinhos" no dia 22 de Outubro, às 21.30h. Até ao dia 7 de Novembro, o Forum Luís de Camões, na Brandoa, é o palco nacional da BD.

  Como referido na apresentação do Amadora BD, a edição deste ano - que assinala o Centenário da República - assume-se como um dos Festivais com maior presença nacional. No entanto, como evento internacional não deixará de contar com a presença de exposições e autores estrangeiros.

  O Amadora BD inclui sempre na sua programação, além das exposições, outras actividades: sessões de autógrafos, debates, bd junior, espectáculos musicais e outras iniciativas.

  Para ficar a saber tudo o que se irá passar até ao dia 7 de Novembro espreite:

Para mais informações: Amadorabd.com

21 de outubro de 2010

Visão lança nova colecção de livros


4 Novembro: Este país não é para velhos
11 Novembro: Eu sou a lenda
18 Novembro: Casino Royal
25 Novembro: Million Dollar Baby
2 Dezembro: O estranho caso de Benjamim Button
9 Dezembro: Precious

                                                                  Fonte

Apresentação da Revista Bang! na Fnac Chiado


O novo número da revista Bang! será apresentado pela equipa da editora no próximo dia 2 de Novembro, pelas 19:00 na Fnac Chiado.

(Via Facebook)

19 de outubro de 2010

Ah, a Literatura!

  "Ah, a Literatura!" é o novo programa de livros do Canal Q. Organizado numa lógica de clube de leitura, o programa destacará semanalmente um livro, lido e analisado por ambos os anfitriões, que procurarão acompanhar as novidades editoriais. Todos os episódios contarão com a presença de um convidado ligado ao mundo editorial e com uma série de rubricas rotativas.
O programa dispõe agora de um blog, estando os primeiros dois episódios já disponíveis para visualização no sapo vídeos:

Ah, a Literatura! – Primeiro Episódio

Parte I

Parte II

18 de outubro de 2010

Livro, José Luís Peixoto


Livro
2010

Autor: José Luís Peixoto
Editora: Quetzal
Páginas: 264
ISBN: 978-972-564-899-5

“(...) sinto, à partida, que um romance, por natureza, não deve ambicionar ser o óbvio que se espera dele. Sinto que este romance é a muitos títulos bastante ambicioso, mas também os anteriores, à sua medida, o eram. Essa ambição é que faz mover o mundo, é que fez os portugueses fazerem aquela viagem, é que faz com que se vá para além do que é expectável.”

                        JLP em entrevista para a revista Ler
No seu mais recente romance, cujo título é simultaneamente o nome do narrador personagem, José Luís desprende-se do registo surreal de Nenhum Olhar e Uma Casa na Escuridão. O romance divide-se em duas partes, apresentando a primeira uma perspectiva realista, que se foca no tema da emigração portuguesa, enquanto que a segunda é de natureza experimental, bastante diferente em termos de tom e estrutura, transformando a percepção que o leitor tem do livro.
  “O Ilídio continuava a rir-se. Então, houve um momento em que ficaram parados. O sorriso de um crescia e puxava o sorriso do outro, que também crescia. Era como se fosse o sol, um sol, que crescesse e essa luz os iluminasse de novo com os seus próprios nomes, com Ilídio e com Josué, e assim voltassem a ser o melhor de tudo o que tinham sido quando estavam juntos, criança e homem, rapaz e homem, homem e homem. Apagava-se a despedida, a falta dissolvia-se.”
Livro evidencia uma maior destreza narrativa por parte do autor, que alterna entre a ruralidade portuguesa e o ambiente urbano de Paris, contraste estabelecido não só em termos da diferença de costumes, mas também a nível de linguagem, ora nos brindando com expressões populares, ora introduzindo alguns dos estrangeirismos originados pela mistura de culturas, aspecto que considera ser uma marca importante da história de um povo.
Apesar da referida predominância do realismo, Peixoto recorre pontualmente ao fantástico, como na inclusão de uma mulher-lobo na viagem dos emigrantes, uma simbólica representação do aproveitamento de que são alvo por parte dos passadores.
“Ao fixar o reflexo dos meus olhos no espelho, já me pareceu muitas vezes que está outra pessoa dentro deles. Observa-me, julga-me, mas não tem voz para se exprimir. Será talvez eu com outra idade, criança ou velho: inocente, magoado por me ver a destruir todos os seus sonhos; ou amargo, a culpar-me pela construção lenta dos seus ressentimentos. Seria melhor se tivesse palavras para dizer-me, mas não. Só aquele olhar lhe pertence. É lá que estou prisioneiro.”
A segunda parte marca uma mudança drástica relativamente à primeira, dado que José Luís procura fazer com que o romance fale de forma directa com o leitor, assim como atingir, dentro do possível, uma condensação de várias tradições literárias. Mas, se esses objectivos são atingidos, a extensão desta secção experimental acaba por desviar a atenção das principais ideias que povoam a parte que a antecede. Tal não é, no entanto, suficiente para manchar a excelência atingida nas primeiras 204 páginas.

Diz Miguel Real no Jornal de Letras que, “com Livro, se inicia a maturidade literária de um grande escritor”. Eu diria que se denota uma maior confiança e ponderação, mas também me parece que com este romance se desvanece, em grande parte, a magia que envolvia os seus primeiros trabalhos. Um José Luís Peixoto diferente é certo, mas que sem dúvida vale a pena conhecer.
  “Prefiro ignorar aquilo que toda a gente está a ler. Para o bem e para o mal, tenho tempo. Acalento a imagem de leitor solitário, único leitor de páginas que as multidões já esqueceram. Concedo-me o direito de fruir as minhas ilusões, se for por consciência, não é por ingenuidade.”

Lançamento da fanzine Fénix

Foi recentemente lançada a fanzine Fénix, sendo a edição do primeiro número da responsabilidade de Álvaro de Sousa Holstein. A Fénix apresenta-se como uma publicação sem fins lucrativos dedicada à promoção da literatura de ficção científica, fantasia e terror, estando o seu formato e periodicidade ainda por decidir. 
“(...) um fanzine não periódico, dedicado à Ficção Cientifica, Fantasia e Terror,  que esperamos venha a ser uma referência no panorama português e um incentivo para os autores e outros criadores, tal como o inicio de uma nova era na edição de fanzines em Portugal.

A Fénix durará o tempo que os leitores e autores quiserem que dure. Quando o projecto estiver esgotado morrerá. Mas qual fénix um outro surgirá.
A grande vantagem que este projecto encerra é o não buscar de forma alguma qualquer tipo de lucro, de agradar a qualquer espécie de interesses, tendo apenas como objectivo promover a edição de ficção curta e de pequenos trabalhos de não ficção na área da fantasia, em todas as suas expressões. Ou seja, estamos abertos a receber trabalhos de ficção que terão como extensão máxima o conto, BD, não ficção, etc. venham eles de autores consagrados, não consagrados ou estreantes, independente de virem da área ou de fora dela.”
Para mais pormenores devem seguir o blog da fanzine, ou a sua página no facebook.

17 de outubro de 2010

Leituras Digitais (10 a 16 de Outubro)


Rubrica semanal de notícias e artigos relacionados com a edição de livros digitais.

  A more serious threat to the publishing industry than digitisation was the imminent demise of the bookstore, warned Shatzkin, who predicted that shelf-space in bookstores would halve from present levels. Barnsley, by contrast, suggested that shelf-space had always been scarce, and that the direct interaction with readers made possible by digital publishing would actually help to alleviate the problem. The biggest challenge ahead of publishers, she felt, would be adjusting to the fact that theirs was now a customer-facing business: editors, for instance, would need to become more like marketing staff. Shatzkin agreed that a focus on the customer would be vital: the relationship with the reader would ultimately be of even greater importance to publishers than control of copyrights. It would be whoever got the eyeballs and the trust, he assured the audience, that would end up controlling the ebook business.
  "O negócio digital está a crescer e a tendência é para que esse crescimento se acentue", afirmou ao DN Miguel Freitas da Costa, secretário-geral da APEL. No entanto, refere, representa ainda uma pequena fatia do mercado. "O negócio através das livrarias digitais em Portugal representa entre 3% e 5% do total de facturação do mercado, estimado entre os 400 e os 500 milhões de euros em 2009", sublinhou. Sobre a evolução, destaca o facto de "a edição digital abrir novas possibilidades à edição".
  With all the problems consumers are seeing in ebooks, regardless of whether the problem lies in the conversion process or in the file preparation, authors who sign contracts with traditional publishers fail their audience if they do not negotiate review-before-release rights. Too many ebooks are being released that are poorly formatted and rife with errors that could easily be corrected just by proofreading the converted version before releasing the ebook on the unsuspecting public. And this should be of primary importance to authors, perhaps even more so than royalty issues (after all, if consumers get fed up with poor quality production, there won’t be any royalty to collect!).
  These numbers tell us something important about ebook sales: they are heavily weighted toward the big-name, front list authors. E-book sales may only be projected to reach 10% of total book sales in a couple of years because of the size of the industry’s backlist and the huge percentage of “long-tail” sales.
  Na edição desta semana da revista Visão, Sílvia Souto Cunha aborda o impacto que os livros e leitores digitais poderão ter no ambiente, numa reportagem intitulada «Serão os e-books verdes?».
  The real problem is that the value of library collections are rooted in the worth of a local copy. The localness of something loses most of its embodied value when you can retrieve information from Australia in 300 milliseconds. Who cares if it’s local or not? I have it immediately. The notion of a copy loses most of its embodied value when there’s no longer a difference between transmission and duplication. When you’re dealing with digital objects, to transmit it is to duplicate it. If you know where it is, you’ll always have it. There are already more cell phones in the world than there are toilets, and in this century most humans are going to have persistent internet access in their pocket. In an internetworked world, when you can download anything from anywhere, the idea of having a local copy only makes sense to a hoarder.


Vídeos
The Book Futurists: Edward Nawotka, Publishing Perspectives

12 de outubro de 2010

Apresentação da biblioteca particular de Fernando Pessoa

  A Casa Fernando Pessoa e a Fundação Vodafone Portugal convidam para o lançamento do site da Biblioteca particular de Fernando Pessoa.

21 de Outubro | 18h00 | Casa Fernando Pessoa

Com a presença do Presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Dr. António Costa, e o Presidente da Fundação Vodafone Portugal, Dr. António Carrapatoso.

11 de outubro de 2010

Revista Bang! n.º 8 distribuída gratuitamente na Fnac

Foi hoje revelada a ilustração da capa da revista Bang! n.º 8, que terá uma tiragem bastante superior ao seu número anterior, sendo distribuída de forma exclusiva e gratuita nas lojas Fnac de todo o país.
  Agora podemos começar a divulgar os factos: o novo parceiro da revista Bang é a rede de livrarias Fnac. Significa que a revista será distribuída exclusivamente na Fnac. Além disso, a nova revista Bang! será não só distribuída, mas publicitada nas livrarias.

Isto significa o quê? Terá uma tiragem de 8000 exemplares e será colocada num expositor próprio da revista junto à secção de literatura fantástica das Fnacs do país inteiro. A revista irá ser em formato A4, com miolo a cores e terá 64 páginas, com publicação trimestral.

Não haverá preço. A revista será inteiramente gratuita. Qualquer pessoa pode pegar na revista e levá-la à casa, sem comprar livros. Está confirmada a sua presença nos eventos de Novembro, Colóquio Mensageiros das Estrelas e Fórum Fantástico, e será distribuída gratuitamente na compra de livros no site da SdE e na fnac.pt (apenas em livros de literatura fantástica). O site da SdE e a fnac.pt irá também disponibilizar uma versão PDF.
A revista estará disponível no final deste mês. Para mais detalhes podem consultar o blog da Saída de Emergência.

10 de outubro de 2010

Leituras Digitais (3 a 9 de Outubro)


Rubrica semanal de notícias e artigos relacionados com a edição de livros digitais.

  E-book readers can address the issue to some extent, especially in the western world: first of all, people can afford to buy these devices while taking the advantage of the decline in price, in proportion to the competition among the rivals; secondly, kids love going digital and people can cash in on that sentimentality for a good cause; the devices are becoming more and more user-friendly and almost capable of simulating the act of page-turning with fingers.
  As you will see, it is not about fleecing authors or getting away with taking advantage of them. It’s about readers simply wanting to be able to enjoy in appropriate ways the books they legally and legitimately purchase. DRM, as it is currently implemented, does nothing to stop ‘piracy’ and it punishes the paying customer with onerous restrictions, and with both complexity—and cost—in usage.
  This past weekend at the Self Publishing Book Expo in New York, I presented my Seven Secrets to Ebook Publishing Success. I embedded the presentation below for your Powerpointing pleasure.
The presentation builds on a previous presentation (and blog post here) on how the rise of indie ebooks will transform the future the future of publishing.
  The wind blowing UK publishers over the water to the annual Frankfurt book fair also carries with it a heightened sense of an industry in revolution. The long-promised digital market is finally with us, and with it come the now-familiar calls for the death of the "heritage" players in the industry. But in favour of ... what?
  As the popularity of e-books and e-readers continues to increase, e-book piracy is also growing rapidly. According to Attributor, a company that develops anti-piracy and content monitoring solutions, the daily demand for pirated books can be estimated at up to 3 million people worldwide. The company's latest study also highlights that the total interest in documents from file-sharing sites has increased more than 50% over the course of the last year. Interestingly, e-book piracy is moving away from large sites like RapidShare to smaller sites and those that specialize in pirated e-books.
  From newspapers to popular magazines, from scholarly journals to e-books, from smart phones to print-on-demand “vending” machines, publishing is more complicated than it once was. The Internet has created new patterns of using information—both in terms of creating content as well as consuming it. Publishers are blending their print business with new digital brands, adding a new level of engagement. Thousands of individuals, companies, schools and businesses have taken the tools of literary and scholarly production into their own hands.
  We’ve already covered a number of commentators talking about the challenge to publishing of creating new audiences. It seems that a lot of publishers have gotten used to being the only game in town, and still rely on the old top-down methods of getting the word out—rather than actually engaging with the readers on the personal basis allowed by the Internet. This is one of the ways that self-publishing authors, who by and large are aware of Internet social networking techniques, have been stealing a march on them.
Vídeos

Scenes from the 10th Annual National Book Festival in Washington, D.C.


Google Mobile App for iPhone, now with Google Goggles

8 de outubro de 2010

Novas informações relativas ao colóquio "Mensageiros das Estrelas"


Já se encontra disponível o website do colóquio “Mensageiros das Estrelas”, onde será divulgada toda a informação relacionada com este evento dedicado à ficção científica e fantasia:
  O Colóquio “Mensageiros das Estrelas: Ficção Científica e Fantasia”, organizado pelo Centro de Estudos Anglísticos da Universidade de Lisboa,  pretende abordar uma temática abrangente que, embora já com tradição e reconhecimento internacionais, não tem merecido a devida atenção por parte da academia portuguesa. A produção e divulgação de obras de Ficção Científica e Fantasia, tanto a nível nacional como internacional, tem agremiado públicos tão vastos e diversos que é pertinente abrir um espaço de debate sobre as questões teóricas e ideativas que se encontram subjacentes a estas formas de escrita.
As múltiplas obras quer literárias quer fílmicas ou visuais suscitam problemáticas distintas de natureza estética, ética, ideológica e também teórica que justificam a importância de um fórum alargado.
O Centro de Estudos Anglísticos da Universidade de Lisboa e o grupo de investigadores afectos a esta área convidam, pois, a que participe nesta iniciativa, a realizar nos dias 2, 3, 4 e 5 de Novembro de 2010 na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa.

O evento irá contar com a presença de elementos das mais variadas àreas relacionadas com a temática, tanto nacionais como internacionais. O colóquio irá contar com exposições, sessões de cinema, workshops, feira do livro, entre outros.

Algumas das temáticas abordadas neste evento serão:
- Verdade e Imaginação na Ficção Científica
- O espaço na Ficção Científica
- A viagem na Ficção Científica
- Ficção Científica e Utopia
- Os mundos imaginários da Fantasia
- Fantasia e o Gótico
- Fantasia e contemporaneidade
- Fantasia e narrativa infantil

7 de outubro de 2010

Curtas: TiM (2007)

"TiM is about the things that happened to me growing up...Its about the feelings that i had as an outsider...its the isolation and alienation of a child and how he is comforted in art and films...The story is very autobiographical...The scenes about the mother, the kids and the priest are based things which really happened but all done in a kinda fantastical surreal way...Its the first story I ever came up with for a film and probably the most personal story I will come up with for a film"

Ken Turner

Um tributo a Tim Burton, influenciado pela sua primeira curta-metragem (que já aqui divulguei). Ao invés do mundo grotesco de Vincent, é-nos apresentada a fértil imaginação de Timothy Gray, e se o primeiro desejava ser como Price, Timothy pretende seguir os passos de Burton. 
TiM é não só uma autobiografia surreal, mas também uma demonstração de como ser diferente e quebrar os padrões de pensamento convencionais continua a ser mal visto aos olhos da sociedade.

Para mais informações:

3 de outubro de 2010

Leituras Digitais (26 de Setembro a 2 de Outubro)

Rubrica semanal de notícias e artigos relacionados com a edição de livros digitais.

  The publishing industry, James points out, is “a highly inefficient solution to a real problem”—the problem of how to get knowledge and stories from authors’ pens into readers’ hands.
  For a long time, the publishing industry as it now exists was the best possible solution to this problem, even as inefficient as it was. (Much like we say that “capitalism is the worst possible system of government—except for all the other ones.”) But now a much better system exists for disseminating information—the Internet.
  BISG's 2010 Annual Meeting of Members explored how new media and technology are shaping how the book industry redefines and reconnects with consumers to tell stories in ways that could not be told otherwise. In today's brave new publishing world, the sky's the limit with regard to "the next big thing." Consumer perception about how book content can, should and will be purchased, accessed, used and shared is changing.
  Not only do librarians need to understand the accessibility front of the ebook wars, we have the responsibility to embrace our advocacy role in shaping its outcome. As one of the few public sector agencies charged with recognizing the access rights of all, libraries must collectively examine how we can steer the e-text trajectory-from ebooks to e-journals to any other format-in a more universally usable direction.
  The report set out to explore the attitudes and behaviors of parents and children toward reading books for fun in a digital age. Scholastic surveyed more than 2,000 children ages 6 to 17, and their parents, in the spring.
  The "Reading Europe: European culture through the book" exhibition is brought to you by The European Library and the national libraries of Europe. This online exhibition offers a rare opportunity to view some of the hidden literary gems from the national libraries of Europe. Twenty-three countries have selected nearly a thousand works for the public to peruse. Visitors can discover everything from 18th century English bestsellers to the lost interiors of Russian palaces, all presented in an innovative and multilingual form.
  Amazon.com (NASDAQ: AMZN) today introduced the beta version of “Kindle for the Web,” making it even easier for customers to discover new books and authors by sampling Kindle books directly through web browsers—no installation or downloading required. Amazon is also inviting bloggers and website owners who are participants in the Amazon Associates Program to be part of Kindle for the Web by embedding samples of Kindle books on their websites. These website owners will earn referral fees from Amazon when customers complete book purchases using the links on their websites.
  One of the things that book historians study is the change in, and persistence of, reading technologies over time, and what those historians have demonstrated is that good technologies don't eradicate earlier good technologies. They overlap with them—or morph, so that the old and the new may persist alongside yet another development.
  “O futuro do livro não é digital. Há é um futuro para o livro digital", a afirmação é de Miguel Freitas da Costa, secretário-geral da Associação Portuguesa de Editores e Livreiros, que participou esta tarde no 2º Congresso Nacional de Propriedade Intelectual, a decorrer na Universidade Nova de Lisboa. 

  Convidado a responder à pergunta: O Futuro do Livro è Digital? O responsável admitiu que é, para já, difícil antecipar que futuro será o dos livros digitais, reconhecendo que "estamos a assistir a uma explosão dos livros electrónicos", mas sublinhando também que estes "continuam a representar uma ínfima parte do mercado".

2 de outubro de 2010

Clube de Combate, Chuck Palahniuk


Clube de Combate
2008 (Data original de publicação: 1996)

Título Original: Fight Club
Autor: Chuck Palahniuk
Editora: Casa das Letras
Tradução: Maria Dulce Guimarães da Costa
Páginas: 2007
ISBN: 978-972-46-1821-0

  “We need to be more comfortable and more accepting of chaos, and things that we see as disastrous. Because it is only through those things we can be redeemed and change. We should welcome disaster, we should welcome things that we generally run away from. There is a redemption available in those things that is available nowhere else.”

     Chuck Palahniuk
Geralmente reconhecido pela sua adaptação cinematográfica, que se veio a tornar num filme de culto, Clube de Combate representa uma perspectiva masculina da vida em sociedade no final do séc. XX.
Se o filme nos apresenta um enredo racionalizado, um encadeamento de ideias mais ordenado, o livro impressiona através do seu estilo fora do comum, quase tão caótico como a mente do seu protagonista. Apesar das semelhanças, proporcionam experiências diferentes (assim como diferentes finais), pelo que a visualização do filme não é motivo para desencorajar a leitura do livro.
  “Não há nenhum sítio onde estejas tão vivo como no clube de combate. Quando és apenas tu e o outro tipo debaixo daquela única luz no meio de toda aquela gente a assistir. O clube de combate não tem nada a ver com ganhar ou perder combates. O clube de combate não tem nada a ver com palavras.”
A história é relatada na primeira pessoa, através da mente retorcida do protagonista que sofre de insónia e de crescentes sintomas de esquizofrenia, cujo nome nunca nos é revelado. A nível narrativo, Palahniuk opta por uma abordagem minimalista que se distingue pelo uso de frases curtas e de um vocabulário limitado que, apesar de aproximar o discurso da realidade, leva a que o conteúdo se torne bastante repetitivo. Se por um lado este aspecto combina com o carácter paranóico do narrador, por outro, acaba por diluir o impacto das ideias subjacentes ao livro.
  “Depois de uma noite no clube de combate, tudo no mundo real fica com o som desligado. Não há nada que te consiga chatear. A tua palavra é lei e se as outras pessoas desrespeitam essa lei ou te põem em causa, mesmo isso não te chateia.”
Apesar da multiplicidade de influências filosóficas que podem ser apontadas (das quais se destaca o existencialismo e o niilismo), é também possível encontrar algumas referências sociológicas, nomeadamente no que se refere ao conceito de alienação. Neste sentido, o autor vai ao encontro da visão de Marx Weber, para o qual o império da razão não é condição suficiente para uma maior autonomia e liberdade dos indivíduos, considerando que, antes pelo contrário, os meios racionais aos quais o homem recorre para atingir os seus objectivos acabam por se sobrepor a estes últimos. Sob estas circunstâncias, o homem torna-se estranho a si mesmo, quer porque não se identifica nas suas obras, quer porque perdeu o domínio que lhe permitia preservar a sua identidade. Um exemplo concreto disso mesmo pode ser encontrado no regime de obediência estrita em que vivem os trabalhadores retratados no livro, assim como na predominância da objectividade sobre valores subjectivos como os sentimentos pessoais.
Assim, os clubes de combate funcionam como uma escapatória a esse processo de alienação, permitindo que os seus participantes se possam libertar da postura submissa em que vivem, refluindo sobre a sua própria subjectividade de modo a encontrar um significado genuíno para a sua vida.
  “Tens uma turma de homens e mulheres, jovens e fortes, que querem dar as suas vidas por qualquer coisa. A publicidade faz com que esta gente ande atrás de carros e de roupas de que não precisa. Gerações inteiras têm estado a trabalhar em empregos que odeiam só para poderem comprar aquilo de que, na realidade, não precisam nada.
Não temos uma grande guerra na nossa geração, nem uma grande depressão, mas temos uma grande guerra do espírito. Temos uma grande revolução contra a cultura. A grande depressão é as nossas vidas. Temos uma depressão espiritual.”
É também evidente uma forte crítica ao consumismo, à tentativa vã de preencher o vazio das nossas vidas através de objectos materiais, como se estes nos definissem como seres humanos, quando tal não poderia estar mais longe da verdade.

Se a eficiência das ferramentas utilizadas por Palahniuk é questionável, não é menos verdade que este não se deixa prender pelo que é convencional, e que através da sua inteligente ironia oferece uma leitura refrescante e provocadora.

  “Um minuto era suficiente, disse o Tyler, uma pessoa tinha de trabalhar muito para o conseguir, mas um minuto de perfeição valia o esforço. Um instante era o máximo que alguma vez podíamos esperar da perfeição.”
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...